Maribel: Triathlon com Fé

A uruguaia Maribel Pérez Leon, 39 anos, desembarcou em São Paulo em 2015 para uma missão religiosa. No ano seguinte mudou-se para o Rio de Janeiro, onde, desde 2016, pertence à Ordem das Virgens Consagradas da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Atualmente, além da vestimenta religiosa que tradicionalmente usa, Maribel pode ser vista com o macaquinho típico dos triatletas nadando, correndo e pedalando. Ela se prepara com a treinadora Márcia Ferreira para sua primeira prova oficial, em agosto. Um sprint triathlon no Recreio dos Bandeirantes (750m de natação, 20K de ciclismo e 5K de corrida).

´´Comecei a praticar esportes em 2014, depois de ter passado por um momento de estresse. Iniciei pela natação por que sempre tive o sonho de aprender a nadar´´, conta Maribel, que já tem feitos treinos no mar de Copacabana.

Durante seis anos a natação foi o único esporte de Maribel, que juntou a corrida à sua rotina em 2020. O ciclismo, neste meio tempo, também, mas como lazer. E foi exatamente quando começou a correr. Pronto, mesmo sem conhecer o triathlon, Maribel já tinha em sua rotina o tal nadapedalacorre. Só faltava ajustar tudo em forma de treinamento.

´´Eu nem sabia que este esporte existia. Mas ao longo dos anos fui sempre acrescentando alguma atividade física à minha rotina. Comecei a nadar, depois a pedalar com uma bicicleta de passeio e depois me motivaram a correr. Foi assim que comecei a ouvir falar do triathlon. Amei a ideia por que gosto de desafios e estava precisando de um naquele momento´´, conta Maribel, que conheceu Márcia Ferreira durante um passeio dominical de bike, exatamente quando estava à procura de uma assessoria de triathlon.

Além do trabalho na arquidiocese, Maribel é fundadora de uma associação de leigos chamada Talitha Kum. Junte a todas as atividades e os treinos, o fato de não ter renda fixa e o cenário de superação está completo, concorda? Maribel não!

´´Os equipamentos do triathlon são caros, mas necessários. Como não tenho renda fixa, às vezes fica difícil, mas com a ajuda de todos tenho conseguido. Eu diria que esta é a única dificuldade porque as demais são muito pequenas para chamá-las de dificuldades (risos)´´.

A planilha de treinos preparada pela treinadora incluem treinos de domingo a domingo, quase sempre com duas sessões diárias. Mas é o que a tem preparado para a prova de agosto. Aliás, Maribel tem usufruído demais de todo o conhecimento de Márcia Ferreira.

´´Com ela e a equipe, achei tudo o que eu precisava. Uma excelente assessoria nos treinos, e ótimos colegas, que tornam tudo mais prazeroso e divertido. Somos um grupo em que cada um tem uma atenção personalizada e cuidadosa. Estamos em ótimas mãos!´´, afirma Maribel, até hoje fez apenas uma prova official de corrida, os 5K na Maratona do Rio, em 2021.

A atleta tem aproveitado bem a oportunidade de se exercitar em meio às belezas da Cidade Maravilhosa. Ela espera ansiosa pela prova de agosto e faz planos para sua vida esportiva, que, segundo ela, impacta em tudo o que faz na vida.

´´Espero completer bem a prova, sem passar mal. Ganhar seria muito bom, mas ainda preciso treinar muito para chegar lá´´, diz bem humorada. ´´O esporte proporciona bem estar e uma ótima convivência com pessoas de todos os estilos de vida e culturas. Praticar esportes traz para a minha vida um grande equilíbrio físico e emocional. Me dá leveza e me deixa mais disponível para as missões que realizo. Espero seguir dando novos passos e, quem sabe, competir em outras cidades´´, completa.

Já Márcia Ferreira garante que a experiência com Maribel tem sido muito boa para toda a equipe. Tem mostrado, entre outras coisas, que o triathlon é para todos e que o esporte é uma atividade abençoada.

´´Claro que é possível competir com segurança, com todos os equipamentos necessários sem gastar uma fortuna. Essas provas mais curtas são uma boa porta de entrada. Além do mais, ao abrir as portas para todos, ele nos dá a oportunidade de conhecer pessoas como Maribel. Inclusive eu disse a ela que nem precisa pagar pelos treinos, que era só rezar por nós´´, diz Márcia Ferreira.  

Texto: Paulo Prudente / Fotos: Bruno Araújo